Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios – Crítica

| 1 Comentário

Fui  ver “

Fui  ver “Eu receberia as piores notícias dos seus lindos lábios”,  novo filme de Beto  Brant. Desta vez,  vou  fazer a crítica em  forma de poesia. Por que? Quem  vir o  filme entenderá!

 

Primeiro o chão de poeira seca

O índio

O diferente

E uma beleza quente

 

Num  click

O  concreto  da metrópole

O  “nosso” mundo

E a vida despejada, vermelha

No  seu  chão de asfalto

 

Que  depressão que me dão as pregações

Vida que segue

 

E o  humano que pulsa

Apesar de tudo

 

No leito  de morte

Todos são  religiosos

No leito do  quarto

É tudo humano  desejo

 

Paixão, traição, política

Religião, poder, injustiça

Loucura

 

E a vida derramada no  chão de poeira seca

Vermelha

 

E o amor

 

Antes foi necessidade

E novamente foi  amor

Ou foi necessidade?

 

Botafogo,  03 de maio de 2012

”,  novo filme de Beto  Brant. Desta vez,  vou  fazer a crítica em  forma de poesia. Por que? Quem  vir o  filme entenderá!

 

Primeiro o chão de poeira seca

O índio

O diferente

E uma beleza quente

 

Num  click

O  concreto  da metrópole

O  “nosso” mundo

E a vida despejada, vermelha

No  seu  chão de asfalto

 

Que  depressão que me dão as pregações

Vida que segue

 

E o  humano que pulsa

Apesar de tudo

 

No leito  de morte

Todos são  religiosos

No leito do  quarto

É tudo humano  desejo

 

Paixão, traição, política

Religião, poder, injustiça

Loucura

 

E a vida derramada no  chão de poeira seca

 

E o amor

 

Antes foi necessidade

E novamente foi  amor

Ou foi necessidade?

 

Botafogo,  03 de maio de 2012

Share and Enjoy:
  • Print
  • Digg
  • StumbleUpon
  • del.icio.us
  • Facebook
  • Yahoo! Buzz
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • Google Buzz
  • LinkedIn
  • Live
  • MSN Reporter
  • MySpace
  • Orkut
  • RSS
  • Tumblr

One Comment

  1. Olá,
    Quando li o Livro do Marçal Aquino há alguns anos ( “Eu…lábios) achei incrível a capacidade de um roteirista de cinema fazer poesia e história de amor em prosa dessa maneira. E presenteei alguns amigos.
    Ver o filme com o Beto Brant como diretor foi uma grata surpresa já que ele é denso e sabe captar a realidade sem pieguice.
    Realmente, muito bom, Professor!

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: